quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Maravilhosa graça


Int.: C....G....C

.C
Maravilhosa graça

.G.................C....E7
Maior que o meu pecar

Am............D7
Como poder cantá-la?

.G..........D7...G
Como hei de começar?

.C
Pois alivia a minha alma

C7..............F
E vivo em toda calma

...................C....G..C
Pela maravilhosa graça de Jesus


..C..........................G
Graça, quão maravilhosa é a de Jesus
Graça, quão maravilhosa é a graça de Jesus

.C.......................G
Como o firmamento e sem fim
Alta como o firmamento, alta e sem fim

G7.............C................D..................G
É maravilhosa, é tão grandiosa, é suficiente para mim
Gra---ça, quão ma---------ravilho-------sa, su----ficiente a mim

C.........................G
É maior que a minha vida tão fugaz

C..............C7.........F
É maior que o meu pecado vil

....................C....F
O nome de Jesus engrandecei

....C....G...C
E gló---ria dai



.C
Maravilhosa graça

..G............C....E7
Traz vida perenal

Am...........D7
Por ela perdoado

.G.......D7....G
Vou à mansão real

C
Ela abranda o meu fardo

C7................F
Gozo de Deus o agrado

...................C....G....C
Pela maravilhosa graça de Jesus


.C
Maravilhosa graça

..G..................C....E7
Quão ricas bênçãos traz

Am...............D7
O seu poder transforma

G.....D7.....G
O pecador falaz

.C
Sou salvo na verdade

.C7...............F
Por toda a eternidade

...................C....G....C
Pela maravilhosa graça de Jesus

2 comentários:

Gabriela disse...

esse refrão esta certo?
Na minha igreja agnt canta assim

Graça quão maravilhosa a graça de Jesus
Alta como um firmamento, alta e sem fim
Graça, quão maravilhosa, suficiente a mim
É maior que a minha vida inutil
É maior que meu pecado vil
Em nome de Jesus engrandecei
E Glória dai

Pb. Rogério C. Nery disse...

Olá, Gabriela!

Eu já ouvi as duas versões, e até creio que a que você apresentou tenha sido anterior à outra.
No entanto, creio que a versão que postei no blog é melhor em relação à antropologia bíblica na perspectiva reformada.

Abraços!